Infecção Urinária

Compartilhe o Post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Uma das queixas mais comuns no consultório do Urologista consiste na infecção do trato urinário (ITU). Quando esta acontece de forma frequente e recorrente, torna-se um sério problema de saúde que compromete significativamente a qualidade de vida do paciente e o impede de exercer suas atividades corriqueiras.

As mulheres são as principais atingidas pelas ITUs (infecção do trato urinário). Calcula-se que 50% das mulheres irão apresentar ao menos um episódio desta infecção durante a vida e 20-30% sofrerão com episódios recorrentes desta infecção. Quando na vigência do quadro, as pacientes costumam queixar-se de aumento da frequência urinária, dor e ardor ao urinar acompanhado de gotejamento e urgência (necessidade imediata de urinar). A presença de sangue na urina é menos frequente, mas pode ocorrer.

Para um melhor entendimento desta condição clínica, é importante saber que as bactérias que causam esta infecção são originadas da própria flora intestinal da paciente na imensa maioria dos casos. Em virtude da proximidade anatômica entre o ânus e a uretra feminina (canal por onde é eliminado a urina), as bactérias da região anal podem adentrar à bexiga em maior quantidade, ocasionando a infecção.

Sabe-se que algumas mulheres apresentam uma maior tendência a estas infecções urinárias. Dentre os fatores responsáveis por este maior risco, destacam-se:

• Baixa ingesta de água e o retardo da micção (segurar o xixi).
• Higiene inadequada após defecar (fazer o asseio de trás pra frente).
• Uso abusivo de duchas e higiene excessiva da vagina (retira as bactérias protetoras da região).
• Uso de roupas quentes e apertadas por longos períodos de tempo.

Algumas recomendações gerais podem ser dadas como estratégia para evitar o surgimento destas infecções. Especial atenção deve ser dada para o momento da relação sexual, em virtude da maior chance de deslocamento das bactérias da região do ânus para bexiga. Recomenda-se que a mulher urine imediatamente após o intercurso sexual e evite uso de preservativos que contenham espermicidas.

Outras medidas que podem reduzir o risco de infecção incluem aumentar a ingesta de água de forma a produzir pelo menos 1,5 litro de urina ao dia e esvaziar a bexiga a cada três horas pelo menos. Por fim, mulheres constipadas (prisão de ventre) estão mais predispostas a estas infecções, devendo buscar uma alimentação rica em fibras que propicie um hábito intestinal regular.

Caso as medidas acima não consigam controlar a recorrência das infecções, seu médico poderá utilizar medicamentos que possam aumentar os mecanismos de defesa da bexiga ou mesmo o uso de antibióticos, em último caso, de forma preventiva.

Procurar o médico Urologista é sem dúvidas a melhor estratégia para realizar o tratamento adequado das infecções e elaborar um plano de medidas preventivas para novos episódios.

Agende já uma consulta em um de nossos consultórios no 30368080 (Aldeota) ou 9 99667858/32267858 (Bairro de Fátima)!

Dr. Raphael Farias
CRM 10893 RQE 6045

Veja outros posts