Mulheres com incontinência urinária têm vida sexual afetada

Compartilhe o Post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Uma pesquisa publicada em 2016 pelo Ambulatório de Disfunção Miccional do Hospital São Paulo, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), mostra que mulheres com incontinência urinária têm a vida sexual e a qualidade de vida mais afetada com relação àquelas que têm controle da urina. Até 30% da população acima de 60 anos apresentam algum grau de incontinência e as mulheres são as que mais sofrem desse mal: a probabilidade aumenta em até duas vezes para apresentar o problema. Foram analisadas 356 mulheres (243 incontinentes e 113 continentes), com idades que variaram entre 30 e 80 anos. Questionários e exames na bexiga foram utilizados para a constatação de que 53% das que sofriam de perda involuntária da urina também apresentavam disfunção sexual e 10% delas classificavam como ruim a qualidade de vida. O estudo avaliou pontos relativos à sexualidade como desejo, satisfação sexual e conforto. Em cerca de 50% das mulheres com incontinência, a perda de urina durante a relação sexual atrapalha o desejo e o orgasmo.
Muitas podem ser as causas da perda involuntária de urina. Entre elas, há fatores genéticos, obesidade, gravidez, pós-parto, cirurgias e traumas na região pélvica e problemas de bexiga. Certas bebidas podem atuar como diuréticos e devem ser evitados, como álcool, cafeína e refrigerantes. Entre os alimentos da lista negra estão aqueles ricos em açúcar e os cítricos. O tratamento deve ser indicado pelo especialista de acordo com o tipo da incontinência, a gravidade e a causa. Dieta com controle de fluídos, exercícios para fortalecer os músculos que ajudam a controlar a micção e medicamentos são algumas das possibilidades indicadas pelo médico.

Veja outros posts